O surdinho

CARTAZ NÚMERO 1:
A meninada toda estava na rua. Como era divertido brincar com o surdinho!
- Sur – di – nho! Sur – di – nho!
- Chamavam os meninos.

CARTAZ NÚMERO 2:
E batiam nele de um lado e de outro. O menino surdinho ficava até tonto.
Os garotos ás vezes caçoavam tanto dele, mas tanto, que o surdinho corria pra casa, chorando, chorando.
Um dia os meninos abusaram demais. Chegaram até a lhe dar tapas, pisar nos pés, beliscar e empurrar com tanta
força que o surdinho até caiu no chão.
Ele queria ir para casa, mas não podia... os moleques o agarravam...
Assim que conseguiu escapar, fugiu, deixando os moleques rindo e caçoando dele.
Mamãe. – vocês sabem como são as mamães – logo percebeu que alguma coisa não ia bem. Correu e abraçou o Surdinho.
- Que foi, filhinho, que foi?
Ele também abraçou a mamãe e chorou muito, muito. Depois enxugou os olhinhos, ameaçou um sorriso, jogou um beijo para a mamãe e saiu. Ela estava fazendo o almoço e com gestos falou que ele não se demorasse.
A mamãe ficou em casa com um aperto no coração.
Surdinho passou escondido pela rua. Quando viu um menino, entrou num jardim até que o garoto sumiu. Olhou dos lados e não viu ninguém. Começou a correr, até ficar muito cansado. Daí começou a andar devagar. Estava tão distraído que nem sabia por onde andava. Seu coraçãozinho estava muito apertado. Ele já estava fora da cidade. É muito longe não???
De repente, Surdinho viu o trilho do trem. Começou a andar nele e a se equilibrar. Pulava nos paus que seguravam os trilhos. Achou tão gostoso brincar ali, sozinho, que até começou a sorrir. E pulava, pulava e ria bastante. Era a primeira vez que isso acontecia.
Sua mãe, lá em casa ficou aflita, e cada vez mais aflita. Lembrou-se do Surdinho, da sua tristeza, e pensou:
- Está acontecendo alguma coisa com ele. Saiu correndo para a rua. Viu os meninos brincando.
- Hei? Sabem do Surdinho?
- Ele não está em casa?
- Não, ele saiu e não voltou. Ajudem-me a procurá-lo.
Surdinho continuava correndo pelo trilho, rindo, rindo.
- Piuiiiii... Apitou o trem, lá longe.

CARTAZ NÚMERO 3:
A mamãe do Surdinho ouviu aquele apito e gritou:
- O trem, o trem!
Ela correu em direção à linha do trem. Os meninos foram atrás.
- Piuiii... Apitou o trem mais forte, mais perto.
De longe a mamãe viu o Surdinho brincando, pulando, pulando e o trem se aproximando.
As crianças começaram a gritar. Ficaram desesperadas. Queriam passar na frente do trem.
- Surdinho! Surdinho! Gritavam... Mas ele não ouviu nada, nem mesmo o apito do trem.
A sua mamãe chorando, gritou: - filhinho!
O maquinista do trem viu o menino, tentou brecar, mas não deu tempo...

CARTAZ NÚMERO 4:
Agora Surdinho estava feliz lá no céu, com Jesus.
Ninguém caçoava dele e ele podia ouvir tudo, tudo mesmo. Ouvia a voz de Jesus, tão meiga, tão amiga. Voz que ele aqui na terra já conhecia porque era um garoto que andava nos caminhos de Deus. Nunca faltava nos Cultos de Crianças. Era obediente e bom. Surdinho estava agora na sua casa de verdade. Na casa do Pai celestial, onde só havia alegria. Quem é de Jesus não precisa ter medo de morrer.
Alguma vez você já dormiu no carro do papai? E ele o pegou no colo, o levou com carinho para a sua caminha? Quando você acordou no dia seguinte, não estava mais no carro e sim na sua caminha...
A morte é assim. Você dorme aqui na terra e Jesus com carinho leva você para a outra casa. Quando acordar no dia seguinte, não está mais na terra e sim no Céu, no lugar de delícias. Isto foi o que aconteceu com o Surdinho.
Mas os meninos... Estes sim... Choravam arrependidos. Haviam maltratado tanto o Surdinho, que pena...
Agora o jardim perdeu a graça. A rua ficou triste sem o Surdinho. As crianças não quiseram mais brincar na calçada. Mas elas nunca mais caçoaram de outro menino. Nunca mais jogaram pedra num aleijado. Nunca mais riram de um bobinho. Nunca mais baretam num surdinho. Nunca mais... nunca mais.
E vocês?
Disse Jesus:
“Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.
Mateus 22:39

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sorvete Missionário - Apec

Na rocha firme